Follow by Email

quinta-feira, 17 de maio de 2012

Amor x Impostor



Senta que este texto é longo. Mas eu acho que você vai gostar.

Nem sempre é fácil, com nossa mente humana,  entender o que é o amor incondicional de Deus por nós.
Como saber, sentir de verdade  que fomos perdoados por coisas que não queremos nem admitir  pra nós mesmos que sim, fizemos?
Como confiar que Deus vai nos guiar, abençoar e não nos castigar pelos nossos erros?
Como olhar pra frente e ter esperança neste amor de Deus?

Penso que é muito difícil porque pensamos como homem e pensamos com nossos sentimentos em relação ao outro. Temos uma grande dificuldade em amar quem nos trai, quem nos machuca.  Temos grande dificuldade em perdoar a nós mesmos quando percebemos que cometemos um erro do qual nos arrependemos profundamente. E com essa mente que temos entender que Deus nos perdoa quando traímos, quando falhamos é mesmo difícil. Mas o fato é que Ele perdoa.

Pra mim era crucial entender isso de verdade para eliminar da minha mente a figura do Deus que está todo o tempo com um “cajado” na mão esperando pra punir qualquer erro meu, por menor que fosse. 

Eu precisava conhecer a fundo o Deus que ama incondicionalmente a mim.
Claro que eu sei que Jesus é prova deste amor. Mas saber do amor é diferente de sentir o amor.            ( Filosofei bonito agora heim...rsrs)

O meu saber precisava se transformar em sentir. Eu funciono assim.
Então esta passou a ser minha busca: Conhecer o Deus que me amava, como eu era.
Mas o caminho foi estranho. E nem imaginava aonde estava me metendo.
Na busca pelo  Deus que me amava como eu era, eu acabei conhecendo mais de mim mesma. E olha, não foi muito fácil me conhecer de verdade.  Parece que como um filme, um capítulo por dia eu ia me deparando com uma Fabiana que era oculta pra mim mesma. Ler o Livro “ o impostor que vive em mim” foi muito bom pra elucidar como é isso: Duas pessoas numa só. E o pior, uma não tinha conhecimento da outra.  Seres  estranhos, mas habitando um mesmo corpo.

No livro ele é identificado como o “falso eu”.

Acho perfeita a descrição que o autor, Brennan Manning , faz dele:

...Incapaz de ser franco, se protege...;
...Anula e disfarça sentimentos, tornando impossível a honestidade emocional...;
..Tem desejo compulsivo de apresentar uma imagem de perfeição diante do público, de maneira que todos o admirem e ninguém o conheça de verdade...;
...O impostor é aquilo que ele faz...nos predispõe a dar importância àquilo que não é importante de fato...

Não identifiquei todos as características dele em mim, mas vi algumas. No livro o autor detalha muito mais aspectos do impostor e suas consequências na nossa vida.

Bom, quem quer  se conhecer a fundo, de verdade, sem medo do que vai encontrar,tentar entender certas atitudes que tem eu acho que vale a pena ler o livro. Talvez você identifique que vivendo com você, há um outro indivíduo, agindo sutilmente, sem que você nem perceba.

Descobrir este “impostor” é libertador. Quando você o desmascara, percebe como ele age podendo então aprender como lidar com ele e anular as ações dele sobre você e o agir dele através de você.

É um exercício, mas agora você é consciente de quem você é. É um grande passo para mudar de verdade.

Comecei a me deparar também com a minha dualidade. Num dia, ao acordar, estou certa e segura sobre determinado fato, as coisas são claras e pronto, tudo está definido. Ao me deitar à noite , como num passe de mágica, toda certeza se foi.

Uma vez me peguei assim e indignada disse: Como é pode isso? Como toda certeza se foi, se nenhum fato novo aconteceu pra mudar isso? Como eu posso ter mudado assim minha certeza?
Você já se percebeu assim?
Como pode isso?

Mas eu entendi que somos assim. Isso não é nada absurdo em ser tratando de gente, como a gente é. E o nome disso é dualidade.

Então eu decidi não pirar com isso. Aceitar que isso somos nós e a consciência de que somos assim me ajuda a ter equilíbrio nas emoções.  Hoje sei que em determinado momento terei 100% de certeza sobre um fato e que posso 5 minutos depois não ter certeza alguma. Então o caminho é esperar até que a concretização de cada coisa mostre o que é verdade ou não. Pronto. E assim a gente caminha.

Mas entrei nessa longa explicação pra ilustrar como a busca pelo Deus que ama me fez descobrir  eu mesma. A Fabiana que eu não conhecia.

Eu entendo o porquê claramente. Acho que difícil vai ser explicá-lo.

Quando olho pra trás eu vejo toda minha caminhada com Deus, o que Ele tem feito, como tem se revelado, cuidado de mim.  Mesmo sendo quem eu sou. Pra entender que ele me amava incondicionalmente eu precisava saber quem era a pessoa que ele amava.

Mas eu não tinha consciência de que eu precisava me conhecer de verdade primeiro.Não sabia como chegar até Ele. Mas Ele sabia.

Por isso Ele precisava me confrontar comigo mesma. Ele precisava mostrar quem eu era e que ainda assim, com todos meus defeitos, Ele fez e tem feito tudo por mim.

Portanto Deus mostrar a mim quem eu sou de verdade, sem máscaras, me fez saber o quanto Ele me amava. Porque Ele cuidou de mim, mesmo quando eu nem percebia quem era e que precisaria mudar. Ele não cobrou de mim mudança para estar ao meu lado caminhando comigo.

Ele decidiu caminhar comigo e ir me aperfeiçoando na caminhada. Não reteve sua bênção, não reteve seu cuidado, não me cobrou nada em troca, não me feriu com  o cajado que eu imaginava que Ele carregava.

Quando me conteve, quando me disse não vá por ai, quando falou mais firme foi porque sabia que eu fazia escolhas erradas e iria me ferir lá na frente.  Todos seus “nãos” para mim foram de cuidado, não de  capricho, nem de imposição por soberania. Fora todos “nãos” de amor. Amor incondicional.

Não existe melhor descoberta pro homem. Estou segura disso.
Imagino que ainda preciso descobrir muito de mim mesma. Mas parece algo  fascinante porque não traz medo. Cada vez que eu me conhecer mais, também conhecerei mais do amor de Deus por mim. E creio que é isso que vai preenchendo o vazio da nossa alma. Ele é substituído ao longo do caminho pelo Amor do Pai.

A gente precisa se dispor a sermos expostos a nós mesmos. Pra muitos esse querer não é bem aceito. Por muito tempo negamos este caminho, mas não tem outro.  Amadurecer e nos encarar face a face sem medo, corajosamente é o primeiro passo pra gente começar a ser transformado pelo amor de Deus, que cura, restaura e nos liberta, principalmente de nós mesmos e todas nossas mazelas.

Meu desejo é continuar nessa direção e que você, se ainda não seguiu por ela, sinta o desejo de seguir, de conhecer mais a fundo o amor de Deus por você. Não apenas saber, mas sentir.

Termino com uma frase do Livro ” Quando aceitamos a verdade 
 do que realmente somos e a submetemos a Cristo, somos envolvidos pela paz, quer nos sintamos em paz ou não...Jesus nos liberta da alienação e da autocondenação e oferece a cada pessoa uma nova possibilidade. Ele é o Salvador que nos defende de nós mesmos.”





Abraços,
Fabiana

Nenhum comentário:

Postar um comentário