Follow by Email

quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

NÃO! NÃO DEIXE ELE TE PEGAR!


Hoje li sobre a indignação de um pessoa, no wordpress, à capa da Revista Época com o cantor Michel Teló. Eu fico feliz quando vejo alguém se posicionar como ele.
Conhece o Michel? Aquele cantor do sucesso " Ai, se eu te pego..."

Bom, eu não li toda a matéria da revista, apenas alguns trechos, mas suficiente pra entender o porque da revista dedicar 12 páginas, segundo o autor da crítica, ao cantor.

Alguns números apresentados na reportagem:

– 4,5 milhões de pessoas assistiram aos 220 shows, média de 20 mil pessoas;

- Enquanto ele se apresentava no Faustão, seu sucesso, a canção dançante “Ai, se eu te pego (assim você me mata)”, atingia a marca de 80 milhões de acessos no YouTube (até o último dia 28, esse número chegou a 93 milhões). É a música brasileira mais vista na história do YouTube, lidera a audiência na Espanha e chegou ao Natal como o sétimo vídeo musical mais visto do planeta – e subindo;

- Seu novo trabalho, Michel na balada, já vendeu 68 mil cópias em 15 dias, nos formatos CD e DVD. 

A alguns meses atrás eu estava no Aeroporto de Confins e pára um ônibus com o nome na lateral “ Michel Teló”. Foi um corre corre...e não só de adolescentes não. Todo mundo querendo tirar foto, cercando o rapaz e eu pensando: “Meu Deus, eu sou um ET porque não faço idéia de quem seja esse ai.”

Depois de ler sobre a indignação, do qual me solidarizo, penso apenas que o problema não foi a Época citar que ele representa a cultura brasileira, um dos motivos da revolta  do cronista, mas é que ele realmente representa.

Pára pra pensar. O que mais temos visto hoje em termos de valorização da nossa "cultura"?
Essa música do Michel toca sem parar. Seja nas ruas, nas rádios, nos toques de celular. O cara é um fenômeno ( a despeito de eu não conhecê-lo. Mas quem sou eu mesmo?) 

Ok. Não concorda? Vamos ver outros ícones que foram sucesso:

“...Vou não, quero não, posso não...” gravada por inúmeros artistas ( como se não bastasse ter que agüentar o original).

Rebolation? Ah vai quem não se lembra? “... O Rebolation, tion. O rebolation.
O rebolation, tion, rebolation!  Rebolation é bom! Bom!
Rebolation é bom! Bom! Bom!...”

Quanta cultura heim?

Quer mais?
“...Ela sai de saia de bicicletinha
Uma mão vai no guidão a outra tapa na calcinha
Vamos, Balançar...”

Não nos esqueçamos do Calypso, claro! Sucesso total há anos. Hit Parade.

Carnaval tá ai! Vamos ver o que de ruim virá pra esse ano.

Poderia passar horas citando verdadeiras pérolas na nossa música, mas creio ter sido suficiente.

Suficiente pra mostrar que Época não exagerou. O problema é que nós estamos nos rendendo, como dizer, a um baixo nível cultural? É, não tenho outra palavra no momento.

Ressaltando que não se trata apenas de classes D e E. Afinal Michel é sucesso no mundo inteiro, como também citado na reportagem.

Teve uma pessoa comentado a crítica ( sendo contra) citando Arnaldo Jabor ( não sei se esta frase é dele mesmo) : “A idiotice é vital para a felicidade.”

Desculpe-me meu amigo, mas eu não preciso de ser idiota pra ser feliz. Se você precisa, tudo bem! Cada um sabe de si.

Mas não é só na música. O BBB 12 vem ai! E por quê? Porque tem audiência. Nós ligamos a TV e damos aquela “espiadinha”....

Teria muito mais a citar, infelizmente, como as novelas,O Programa do Didi, Zorra Total,  lixo, lixo e mais lixo.

 E por falar em lixo, estava eu dirigindo hoje, quando pensava em escrever este texto. Eis que um Nissan ( carrão hein?) segue à minha frente. O condutor  joga seu indesejável lixinho pela janela, afinal não poderia sujar o Nissan, não é mesmo? Não sei quanto às outras cidades, mas em Recife não tem um dia que não vejo esta lamentável cena no trânsito.

Citei o carro porque tem gente que acha que pessoas da classe A e B não fazem isso. Lamento te frustrar, caso você pense assim, porque vejo isso acontecer diariamente do fusca ao importado. Basta olhar as ruas da cidade.

Mas como o objetivo do blog é dizer  o que vale viver nessa vida preciso terminar pensando que ainda podemos ser felizes sem ser idiotas, sem inundar nossa mente de músicas “idiotadas “( como diria Caio Fábio) e se preocupando um pouco mais com a qualidade de nossa vida e de quem convive conosco.

Há alguns anos eu adquiri o hábito da leitura e se você ainda não ainda lê se permita a este prazer. Além de trazer conhecimento é um momento em que você  se desliga do stress do dia a dia te ajudando a relaxar e esvaziar a mente. Há ainda tantas outras opções: um bom filme, em casa ou cinema, uma caminhada na praia, um bom bate papo com os amigos, sair pra tomar um sorvete           ( super refrescante nesta sauninha que anda Recife), pedalada ao anoitecer num dos inúmeros grupos que circulam pela cidade...Cada um de nós pode encontrar coisas bacanas que nos dê prazer.


                                               Que tal uma voltinha com os amigos por ai?


 
Não deixem dizer que pra ser feliz você precisa ser idiota, porque uma vida foi conquistada pra você há mais de 2000 anos atrás numa cruz. Uma vida pra ser vivida em abundância de onde jorram rios de água viva e onde se produzam frutos alegres e saudáveis.
O convite foi feito e está de pé. Basta você dizer sim e embarcar nela!
Bon voyage!!!

Abraços,

2 comentários:

  1. Oi Fabiana, breve breve mais um hit para "coroar" o Carnaval de 2012... Nessas horas "cansa" ser brasileiro...

    ResponderExcluir
  2. E olha que temos inúmeros "Michels Telós" nas igrejas hem. Uma cultura "gospel" made in USA: cantores cantando em um tom altíssimo, uma gritaria dentro das igrejas, é gente vendendo milagre, show da fé, shofar profético,chapéu de vaqueiro, oração de 318, descarrêgo,... Acho que o efeito Michel Teló Gospel já vem há muito tempo sendo importada: dente de ouro (década de 90), cair no espírito, G12, seminários de avivamento, apóstolos donos de igrejas, e por aí vai até onde a imaginação e demandas permitirem.
    Estamos vivendo a era da mediocridade. E o pior, é ver muita gente (dentro e fora das igrejas) conformada com isso. O que me lembra a fábula das cavernas.
    Uma política medíocre, educação medíocre, cultura medíocre, e por que não dizer uma fé medíocre.
    Nada contra a pessoa dos "Michels Telós" e suas músicas, principalmente qdo o objetivo é a diversão a baixo custo, afinal niguém vai querer sair um churrasco ao som de Hermeto Pascoal ou Elomar. A diversão e o sorriso nos trazem alegrias. Mas em se tratando de arte feita com qualidade,sensibiliade, responsabilidade e originalidade é preciso ir além e buscar a essência da arte. Da mesma forma em se tratando da qualidade de nossa fé, é imperativo buscar a essência de Deus e lembrar das palavras do apóstolo Mateus sobre amar a Deus com todo nosso entendimento. É isso que anda faltando por aí: ENTENDIMENTO.
    O sistema mundo, dominado por quem nós bem sabemos, precisa anualmente colocar nos ouvidos das massas os hits. Afinal as massas só ouvem os hits, sejam elas "gospels" ou não. Boa parte da multidão só queria comer do pão e dos peixes.
    Deixo a pergunta: Nos dias de hoje, somos a cultura ou a contra-cultura?

    ResponderExcluir